Curso de Redes Sociais - Inscreva-se Já!

Sites de compra coletiva têm problemas à frente, diz pesquisa

O frisson que envolve os sites de compra coletiva pode não durar por muito tempo, segundo pesquisa da Forrester Research citada pelo blog Digits, do “The Wall Street Journal”. Fonte: Estadão
Um dos resultados do estudo mostra que as pessoas que compram produtos com grandes descontos os comprariam pelo preço original da mesma forma (51% dos entrevistados). Nesse caso, elas participam da promoção apenas porque a encontram.

Groupon é líder em reclamações de compras coletivas no Procon-SP

Para alguns comerciantes, em especial, a parceria parece ser infrutífera. Sessenta e três por cento dos internautas que compraram descontos em restaurantes (a categoria mais popular), serviços de saúde e produtos de beleza disseram já ter comprado diretamente com as lojas antes, revela o The Huffington Post. Na categoria de acessórios e roupas, essa parcela sobre para 80%.

E a maioria dos consumidores frequentariam a empresa que ofereceu a oferta mesmo sem o desconto: 52%, no caso dos restaurantes; 60%, lojas de moda; e 55% na categoria produtos de beleza. A exceção seriam as ofertas vinculadas a spa, degustação de vinhos ou bungee jumping. Menos de 50% afirmaram tê-los experimentado antes de adquirir os cupons, diz o HuffPo.

Além disso, outro ponto contra a maré dos “Groupons” e dos sites de venda-relâmpago seria a dependência em relação aos donos dos serviços e produtos ofertados. “Esses sites dependem dos comerciantes, em sua maioria negócios pequenos, para estabelecer parcerias e ofertas. Se os comerciantes percebem que estão desperdiçando os compradores de mão cheia com as ofertas, eles não usarão mais esse tipo de site e… ‘puf’. A indústria de ofertas diárias desaparece”, explica o Digits.

O blog ainda diz que uma parcela significativa de compradores afirma não querer mais receber e-mail dos sites. Os resultados da pesquisa não significam, no entanto, que esse negócio está condenado. A analista Sucharita Mulpuru, da Forrester, acredita que os sites terão de se transformar para alcançar lucratividade, conta o Digits.

Curso de Redes Sociais

Postado por:

Vincent Benedicto: Diretor de SEO (Search Engine Optimization) e Marketing Online da Griff Art & Design.

Nenhum Comentário.

Comente esse Post